24/10/2010

Um porre/ Caio Fernando de Abreu

"Talvez isso mude. Talvez você entre na minha vida sem tocar a campainha e me sequestre de uma vez. Talvez você pule esses três ou quatro muros que nos separam e segure a minha mão, assim, ofegante, pra nunca mais soltar.
Ou talvez eu só precise de férias, um porre e um novo amor. Porque no fundo eu sei que a realidade que eu sonhava afundou num copo de cachaça e virou utopia".

17/10/2010

E eu tão singular me vi plural."

"Sonhei e fui, sinais de sim,
Amor sem fim, céu de capim,
E eu olhando a vida olhar pra mim.
Sonhei e fui, mar de cristal,
Sol, água e sal, meu ancestral,
E eu tão singular me vi plural.
Sonhei e fui, num sonho à toa,
Uma leoa, água de Goa,
E eu rogando ao tempo:
- Me perdoa
E eu rogando ao tempo:
- Me perdoa
Sonhei pra mim, tanta paixão,
De grão em grão, verso e canção,
E eu tentando nunca ouvir em vão.
Sonhei, senti, sol na lagoa,
Céu de Lisboa, nuvem que voa,
E um país maior que uma pessoa.
Sonhei e vim, mares de Espanha,
Terras estranhas, lendas tamanhas,
E eu subi sorrindo esta montanha.
E eu subi sorrindo esta montanha.
Sonhei, enfim, e vejo agora,
Beijo de Aurora, ventos lá fora,
E eu cantando a Deus e indo embora.
E eu cantando a Deus e indo embora."

Meu chão fiz de mola

Eu vou nomeando meus sonhos um por um. Colocando metas, fazendo projetos, com os dedos cruzados e minhas melhores vibrações.
Claro que eu me frustro, faz parte da vida.

Mas meu chão eu fiz de mola.
Posso cair todos os dias, mas o resultado da minha queda é o impulso.

03/10/2010

Caio Fernando de Abreu/ Arco Iris / Frase

Mas a vontade é te convidar
pra sair por aí sem compromisso
brincar de tobogã no arco-íris
qualquer coisa assim:
você topa?

Martha Medeiros/ Fragmento/ por inteiro

"Não passam as dores, também não passam as alegrias.

Tudo o que nos fez feliz ou infeliz serve pra montar o quebra-cabeça da nossa vida, um quebra-cabeça de cem mil peças.

Aquela noite que você não conseguiu parar de chorar, aquele dia que você ficou caminhando sem saber para onde ir, aquele beijo cinematográfico que você recebeu, aquela visita surpresa que ela lhe fez, o parto do seu filho, a bronca do seu pai, a demissão injusta, o acidente que lhe deixou cicatrizes, tudo isso vai, aos pouquinhos, formando quem você é.

Não há nenhuma peça que não se encaixe.

Todas são aproveitáveis.

Como são muitas, você pode esquecer de algumas, e a isso chamamos de "passou".

Não passou. Está lá dentro, meio perdida, mas quando você menos esperar, ela será necessária para você completar o jogo e se enxergar por inteiro."

02/10/2010

Frase / Tati Bernardi/ Amar menos

Aprendi a amar menos, o que foi uma pena,

aprendi a ser mais cínica com a vida,

o que também foi uma pena, mas necessário.

Viver pra sempre tão boba e perdida teria sido fatal

24/09/2010

Natureza Viva - Morangos Mofados- Frase- Caio Fernando de Abeu

" As pessoas falam coisas, e por tras do que falam há o que sentem,
e por trás do que sentem, há o que são e nem sempre se mostra ..."

20/09/2010

Na terra do coração/ Caio Fernando de Abreu

Nave, ninho, poço, mata, luz, abismo, plástico, metal, espinho, gota, pedra, lata. Passei o dia pensando – coração meu, meu coração.
Pensei e pensei tanto que deixou de significar uma forma, um órgão, uma coisa.
Ficou só com-cor, ação – repetido, invertido – ação, cor – sem sentido – couro, ação e não.
Quis vê-lo, escapava.
Batia e rebatia, escondido no peito.
Então fechei os olhos, viajei.
E como quem gira um caleidoscópio, vi:
Meu coração é um sapo rajado, viscoso e cansado, à espera do beijo prometido capaz de transformá-lo em príncipe. Meu coração é um álbum de retratos tão antigos que suas faces mal se adivinham.
Roídas de traça, amareladas de tempo, faces desfeitas, imóveis, cristalizadas em poses rígidas para o fotógrafo invisível.
Este apertava os olhos quando sorria.
Aquela tinha um jeito peculiar de inclinar a cabeça.
Eu viro as folhas, o pó resta nos dedos, o vento sopra. Meu coração é um mendigo mais faminto da rua mais miserável. Meu coração é um ideograma desenhado a tinta lavável em papel de seda onde caiu uma gota d’água.
Olhado assim, de cima, pode ser Wu Wang, a Inocência.
Mas tão manchado que talvez seja Ming I, o Obscurecimento da Luz.
Ou qualquer um, ou qualquer outro: indecifrável.
Meu coração não tem forma, apenas som.
Um noturno de Chopin (será o número 5?) em que Jim Morrison colocou uma letra falando em morte, desejo e desamparo, gravado por uma banda punk. Couro negro, prego e piano. Meu coração é um bordel gótico em cujos quartos prostituem-se ninfetas decaídas, cafetões sensuais, deusas lésbicas, anões tarados, michês baratos, centauros gays e virgens loucas de todos os sexos. Meu coração é um traço seco.
Vertical, pós-moderno, coloridíssimo de neon, gravado em fundo preto.
Puro artifício, definitivo. Meu coração é um entardecer de verão, numa cidadezinha à beira-mar.
A brisa sopra, saiu a primeira estrela.
Há moças na janela, rapazes pela praça, tules violetas sobre os montes onde o sol se pos.
A lua cheia brotou do mar.
Os apaixonados suspiram.
E se apaixonam ainda mais. Meu coração é um anjo de pedra de asa quebrada. Meu coração é um bar de uma única mesa,
debruçado sobre a qual um único bêbado bebe um único copo de bourbon,
contemplado por um único garçom.
Ao fundo, Tom Waits geme um único verso arranhado.
Rouco, louco. Meu coração é um sorvete colorido de todas as cores, é saboroso de todos os sabores.
Quem dele provar, será feliz para sempre. Meu coração é uma sala inglesa com paredes cobertas por papel de florzinhas miúdas.
Lareira acesa, poltronas fundas, macias, quadros com gramados verdes e casas pacíficas cobertas de hera.
Sobre a renda branca da toalha de mesa, o chá repousa em porcelana da China.
No livro aberto ao lado, alguém sublinhou um verso de Sylvia Plath: “Im too pure for you or anyone”.
Não há ninguém nessa sala de janelas fechadas. Meu coração é um filme noir projetado num cinema de quinta categoria.
A platéia joga pipoca na tela e vaia a história cheia de clichês. Meu coração é um deserto nuclear varrido por ventos radiativos. Meu coração é um cálice de cristal puríssimo transbordante de licor de strega. Flambado, dourado.

Pode-se ter visões, anunciações, pressentimentos,

ver rostos e paisagens dançando nessa chama azul de ouro. Meu coração é o laboratório de um cientista louco varrido, criando sem parar Frankensteins monstruosos que sempre acabam destruindo tudo. Meu coração é uma planta carnívora morta de fome. Meu coração é uma velha carpideira portuguesa, coberta de preto, cantando um fado lento e cheia de gemidos – ai de mim! ai, ai de mim! Meu coração é um poço de mel, no centro de um jardim encantado, alimentando beija-flores que, depois de prová-lo, transformam-se magicamente em cavalos brancos alados que voam para longe, em direção à estrela Veja.

Levam junto quem me ama, me levam junto também. Faquir involuntário, cascata de champanha, púrpura rosa do Cairo, sapato de sola furada, verso de Mário Quintana, vitrina vazia, navalha afiada, figo maduro,

papel crepom, cão uivando pra lua, ruína, simulacro, varinha de incenso.

Acesa, aceso – vasto, vivo: meu coração teu.

16/09/2010

Caio Fernando de Abreu / Barco/ Fragmento

Eu entro nesse barco, é só me pedir.
Nem precisa de jeito certo, só dizer e eu vou.
Eu abandono tudo, história, passado, cicatrizes.
Mudo o visual, deixo o cabelo crescer, começo a comer direito, vou todo dia pra academia.
Mas você tem que remar também.
E talvez essa viagem não dure mais do que alguns minutos, mas eu entro nesse barco, é só me pedir.
Perco o medo de dirigir só pra atravessar o mundo pra te ver todo dia.
Mas você tem que me prometer que vai remar junto comigo.
Mesmo se esse barco estiver furado eu vou, basta me pedir.
Mas a gente tem que afundar junto e descobrir que é possível nadar junto.
Eu te ensino a nadar, juro!
Mas você tem que me prometer que vai tentar, que vai se esforçar, que vai remar enquanto for preciso, enquanto tiver forças!
Você tem que me prometer que essa viagem não vai ser à toa, que vale a pena.
Que por você vale a pena.
Que por nós vale a pena.
Remar.Re-amar.
Amar.

14/09/2010

Clarice Lispecto

" Em cada palavra pulsa um coração.
Escrever é tal procura de íntima veracidade de vida.
Vida que me perturba e deixa o meu próprio coração trêmulo sofrendo a incalculável,
dor que parece ser necessária ao meu amadurecimento
—amadurecimento?
Até agora vivi sem ele!"

12/09/2010

Frase / Fernando Campanella

"Tenta te orientar pelo calendário das flores,
esquece, por um momento os números,
a semana, o dia do teu nascimento.
Se conseguires ser leve, aproveita,
enche tuas malas de sonho e toma carona no vento."

Tati Bernardi / Frase

" É triste saber que falta alguma coisa e saber que não dá pra comprar, substituir, esquecer, implorar. "

08/08/2010

Tati Bernardi/ Fragemnto / Quero...

Quero ser criança, mulher, homem, et, megera, maluca e, ainda assim, olhada com total reconhecimento de território. Quero sexo na escada e alguns hematomas e depois descanso numa cama nossa e pura. Quero foto brega na sala, com duas crianças enfeitando nossa moldura. Quero o sobrenome dele, o suor dele, a alma dele, o dinheiro dele (brincadeira...). Que ele me ame como a minha mãe, que seja mais forte que o meu pai, que seja a família que escolhi pra sempre. Quero que ele passe a mão na minha cabeça quando eu for sincera em minhas desculpas e que ele me ignore quando eu tentar enrolá-lo em minhas maldades. Quero que ele me torne uma pessoa melhor, que faça sexo como ninguém, que invente novas posições, que me faça comer peixe apimentado sem medo, respeite meus enjôos de sensibilidade, minhas esquisitices depressivas e morra de rir com meu senso de humor arrogante. Que seja lindo de uma beleza que me encha de tesão e que tenha um beijo que não desgaste com a rotina.

30/07/2010

Caio Fernando de Abreu/ Queimar/ Fragmento

"E recomeçar é doloroso.
Faz-se necessário investigar novas verdades, adequar novos valores e conceitos.
Não cabe reconstruir duas vezes a mesma vida numa só existência.
É por isso que me esquivo e deslizo por entre as chamas do pequeno fogo, porque elas
queimam - e queimar também destrói."

20/07/2010

Iyanla Vanzant - Ontem Eu Chorei...

Ontem, eu chorei. Voltei para casa, fui para o meu quarto, sentei na beira da cama, chutei os sapatos, desabotoei o sutiã e caí no choro. Quero que vocês saibam que eu chorei até meu nariz escorrer molhando a blusa de seda que comprei na liquidação. Chorei a até minha cabeça doer tanto, que eu mal via a pilha de lenços de papel no chão aos meus pés. Quero que vocês saibam que ontem eu chorei pra valer. Ontem, eu chorei por todos os dias em que estive ocupada demais, ou cansada demais, ou com raiva demais para chorar. Chorei por todos os dias, por todas as formas e por todas as vezes que desonrei, desrespeitei e desliguei meu Eu de mim mesma. Mas meu Eu se refletiu de volta para mim quando os outros fizeram comigo as mesmas coisas que eu já fizera comigo mesma. Chorei por todas as coisas que me foram roubadas; por todas as coisas que eu pedi e que não consegui receber; por todas as coisas que, depois de conquistar, eu dei a outras pessoas em circunstâncias que me deixaram vazias, gasta e exaurida. Chorei porque realmente chega um momento em que a única coisa que nos resta é chorar. Ontem, eu chorei. Chorei porque meninos pequenos são abandonados pelos pais; e as meninas são esquecidas pelas mães; os pais não sabem o que fazer e por isso vão embora; as mães são abandonadas e ficam com raiva. Chorei porque eu tive um menininho, e porque eu ainda era uma menina pequena, e porque eu era uma mãe que não sabia o que fazer, e porque eu queria tanto que meu pai estivesse comigo, que chegava a doer. Ontem, eu chorei. Chorei porque feri alguém. Chorei porque fui ferida. Chorei porque a ferida não tem para onde ir senão até o mais fundo da dor que a causou, e quando chega lá a dor acorda você. Chorei porque era tarde demais. Chorei porque tinha chegado a hora. Chorei porque minha alma sabia que eu não sabia que minha alma sabia tudo o que eu precisava saber. Chorei um choro espiritual ontem, e esse choro me fez muito bem. E me fez muito, muito mal. Em meio ao meu choro, senti minha liberdade vindo, porque ontem, eu chorei sobre cada momento da minha vida.

14/07/2010

Uma perda um anjo se foi...

Hoje me deparei novamente com o sol com as mesmas pessoas com o mesmo um pouco de tudo. Mas hoje o sol estava escuro a esperança se apagou a presença do anjo se foi. Eu que me sentia que tinha recebido o dom divino hoje me deparo com um aborto. Palavra que pesa mais que eu e que qualquer coisa no momento... Muitos planos e fantasias e a sensação inesplicavel de ser mãe de gerar uma vida tudo se foi... Só me resta agora essa dor que me invade cada vez que vejo uma frase, ouço uma musica, que vejo suas roupinhas pequeninhas, as poucas roupinhas que já via meu pequeno anjo dentro delas, que de alguma forma ja te embalava em meus sonhos... Deus fez a coisa certa não tenho dúvida o que não me redime de um enorme sofrimento sem fim e começo... Perdi um pedaço de mim e em vez de esperar um anjo agora espero em silencio a dor passar... Peço desculpa a todos to tentando ser forte o suficiente pra me superar como sempre fiz, mas o tombo foi grande e a marcas continuam a latejar... Um dia sei que vai passar...

17/06/2010

Caio Fernando de Abreu- Ainda que... Fragmento

"Ainda que dentro de mim as águas apodreçam e se encham de lama e ventos ocasionais depositem peixes mortos pelas margens e todos os avisos se façam presentes nas asas das borboletas e nas folhas dos plátanos que devem estar perdendo folhas lá bem ao sul e, ainda que você me sacuda e diga que me ama e que precisa de mim: ainda assim não sentirei o cheiro podre das águas e meus pés não se sujarão na lama e meus olhos não verão as carcaças entreabertas em vermes nas margens, ainda assim eu matarei as borboletas e cuspirei nas folhas amareladas dos plátanos e afastarei você com o gesto mais duro que conseguir e direi duramente que seu amor não me toca nem me comove e que sua precisão de mim não passa de fome e que você me devoraria como eu devoraria, você ah se ousássemos."

18/05/2010

Caio Fernando de Abreu- Marcas- Fragmento

"Incrível como algumas coisas deixam marcas, e até parece que foram marcadas à ferro, porque você ainda as sente."

13/05/2010

Tati Bernardi/ Homem perfeito

"Não me adianta o homem

mais perfeito do mundo

se o meu imperfeito não viver

o resto da vida ao meu lado. "

12/05/2010

Mario Quintana/ Fragmento/ Minha casa e a tua

"Entre a minha casa e a tua, Há uma ponte de estrelas. Uma ponte de silêncios."

Ferir o orgulho/ Amanda Teles

Eu vou ferir mais uma vez o meu orgulho e rezar pra que você faça o mesmo, porque eu tou me lixando pro meu ego.
Orgulho nenhum dá beijo na boca, faz amor ou te cobre no frio.
Eu não quero mais essa sensatez que me obriga a te cumprimentar com um bom dia quando eu tou morrendo de vontade de sentir a tua barba mal feita roçando no meu rosto em cima de uma cama qualquer.
Eu não quero procurar novas opções, quando eu fechei a porta pra você eu abri todas as janelas, mas nenhum sol brilhou tanto quanto o seu olhar pousando no meu corpo e eu entendi que não importa quantas opções eu tenha ou quantas janelas eu abra, por nenhuma delas vai aparecer o teu cheiro, a tua voz, o teu toque.

09/05/2010

Martha Medeiros / Fragmentos / Não vale a pena fugir

"Não vale a pena tentar fugir das decepções ou do êxtases, eles nos assaltaram onde tivermos"

01/05/2010

Clarice Lispector/ Fragemnto / Ela é assim...

'Ela é assim! Pronto.Mas assim como? Explica!
Ela é assim um mix de tudo que se possa imaginar dentro de uma grande capacidade de apenas não ser nada em definitivo. Ela é aquilo que não consegue se encaixar em moldes pré-existentes, parece que ninguém nunca foi antes dela. Ela se incomoda com isso, às vezes, muito. Ela é cheia de sentimentos, parece que suas experiências se manifestam é no dorso do seu colo, e quase sempre, de vez em quando, tudo isso pesa. Mas não tem modo, não existe maneira que a faça ser diferente. E ainda, graças a Deus, ela é diferente. Algo que pesa e que tem o dom da leveza, algo que chora e que se manifesta em sorrisos, algo de forte, mas que se desmancha quando encontra a água.'

26/04/2010

Adolf Hitler/ Fragmento/ Viver verdadeiramente

"Não se pode viver verdadeiramente e desistir do que dá significado e propósito a uma vida inteira".

23/04/2010

Gabriel García Marquez/ Frase

"Não me apetece viver histórias medíocres,
paixões não correspondidas e pessoas água com açúcar.
Só quero na minha vida gente que
transpire adrenalina de alguma forma."

21/04/2010

Frase / Clarice Lispector/ Óbvio

"O óbvio é a verdade mais dificil de se enxergar"

19/04/2010

Por favor, diferente/ Tati Bernardi/ Texto

Eu não espero que você seja o-grande-amor-da-minha-vida, parei de acreditar nisso na quinta série quando a moça que trabalhava na biblioteca do meu colégio me disse que estava se separando do marido dela. Meus pais estão juntos até hoje, mas a gente sabe bem como vão as coisas ali. A moça da biblioteca chorou. Não quero que você me faça chorar. Não quero que você seja um motivo ruim na minha vida. Você é motivo de sorrisos, razão pra eu acordar num dia de chuva e tomar banho e mudar de roupa porque eu sei que você vai passar aqui, vai trazer algo congelado pra gente ver ser aquecido no forno e comer enquanto falamos bobagens. Não quero te odiar. Não quero falar mal de você pros outros. Pras minhas amigas. Quero falar mal de você como quem ama. Pois é, Carla, ele nunca lembra de desligar o celular antes de dormir e sempre alguém do trabalho liga. Sabe, eu quero dizer isso. Que o máximo de irritação que você me provoca é me acordar de manhã cedo falando bobagens que parecem ser importantes no celular. Não quero que você me largue. Não quero te largar. Não quero ter motivos pra ir embora, pra te deixar falando sozinho, pra bater o telefone na sua cara. E eu não tenho medo que isso aconteça (eu nunca tenho), eu fiz isso com todos os outros. É só que dessa vez eu queria muito que fosse diferente. Dessa vez, com você, eu queria que desse certo. Que eu não te largasse no altar. Que eu não te visse com outra. Que eu não tivesse raiva. Que você não passasse a comer de boca aberta. Que você entendesse o meu problema com chãos de banheiro molhados pra sempre. Que você gostasse e cuidasse de mim como disse ontem à noite que cuidará. Eu quero que dê certo, não estraga, por favor. Não estraga não estraga não estraga. Posso pôr um post-it na sua carteira? Mesmo que a gente não fique juntos pra sempre. Mesmo que acabe semana que vem. Nunca destrua o meu carinho por você. Nunca esfrie o calorzinho que aparece dentro de mim quando você liga, sorri ou aparece no olho mágico da minha por minha porta. Mesmo que você apareça na porta de outras mulheres depois de me deixar. Me deixe um dia, se quiser. Mas me deixe te amando. É só o que eu peço.

Recria/ Cora Coralina

Recria tua vida
sempre,
sempre.
Remove as pedras,
e planta roseiras
e faz doces.
Recomeça.

11/04/2010

Coração deve ser macio/ Pedro Antônio de Oliveira

"O coração deve ser macio para receber as palavras duras.
Porque duro com duro só constrói muro! "

Fragmento - Falta de mim - Caio Fernando de Abreu

"Às vezes sinto falta de mim.
-Eu também, menina.
-Sente falta de si?
-Não, de você. E dói.
[Silêncio]
-Me abraça?
-Sempre."

29/03/2010

Cansar/ Frase/ Caio Fernando de Abreu

Vou fumar o meu cigarrinho
e esperar que você ou eu cansemos,
e se vc cansar primeiro,
você fala,
e se eu cansar primeiro,
durmo outra vez...

23/03/2010

A bunda que engraçada1930 - O AMOR NATURAL- Carlos Drumond de Andrade

A bunda, que engraçada. Está sempre sorrindo, nunca é trágica.
Não lhe importa o que vai pela frente do corpo.
A bunda basta-se.
Existe algo mais?
Talvez os seios.
Ora – murmura a bunda – esses garotos ainda lhes falta muito que estudar.
A bunda são duas luas gêmeas em rotundo meneio.
Anda por si na cadência mimosa, no milagre de ser duas em uma, plenamente.
A bunda se diverte por conta própria.
E ama. Na cama agita-se.
Montanhas avolumam-se, descem.
Ondas batendo numa praia infinita.
Lá vai sorrindo a bunda.
Vai feliz na carícia de ser e balançar.
Esferas harmoniosas sobre o caos.
A bunda é a bunda, redunda.

16/03/2010

Caio Fernando de Abreu/ Te ensino a voar/ Fragmento

Vem, antes que eu me vá, antes que seja tarde demais. Vem, que eu não tenho ninguéme te quero junto a mim. Vem, que eu te ensinarei a voar.

13/03/2010

Texto Mulher/ Clarissa Corrêa

Texto públicado com um pouquinho de atraso mais bem lembrado...
"Parabéns para você, que, linda, lida com explosões hormonais uma vez ao mês.
Que sente tudo inchar. Que chora por besteira. Que valoriza bobagens. Que acredita em filmes de amor. Que faz coleção de esmaltes. Que ama sapatos, bolsas e cacarecos para colocar no cabelo. Que compra só porque tava em liquidação. Que sempre precisa de alguma coisa. Que acha o amor a coisa mais bonita – e importante desse mundo. Que sabe como é fundamental olhar para si mesma – ainda que de vez em quando se perca e se preocupe em demasia com o "querer" do outro. Parabéns para você, que dia a dia aprende mais sobre você mesma. Que erra para aprender. Que é forte o suficiente para seguir em frente – sem lamúrias, mas com maturidade e sensatez. Que de vez em quando esquece a própria idade e o juízo em algum canto. E depois acha, como mágica. Parabéns para você, que tem um sonho. Que não desiste, apesar do que falam. Que não se abala, apesar do medo. Que sente uma fraqueza interna, mas caminha com passos firmes. Que fica tonta, mas não desmaia. Que apesar de cada pedra no caminho, corre. Que reclama dos problemas, mas entende que a vida é feita deles. Que tenta entender o defeito alheio – e procura perceber os seus."

12/03/2010

Mario Quintana/ Esquecer/ Frase

"Se me esqueceres,
só uma coisa, esquece-me bem devagarinho."

02/03/2010

Frase/ Sinceridade/ Oscar Wilde

"Pouca sinceridade é uma coisa perigosa,
e muita sinceridade é absolutamente fatal."

Martha Medeiros/ Fragmento / Mudei

Quem sabe eu ficando mais bonita, mais equilibrada ou mais inteligente, ele não volta pra mim?
Foi assim que me matriculei simultaneamente numa academia de ginástica, num centro budista e em um curso de cinema.
Nos meses que se seguiram eu me tornei dos seres mais malhados, calmos, espiritualizados e cinéfilos do planeta.
E sabe o que aconteceu?
Nada, absolutamente nada, ele continuou não lembrando que eu existia.

28/02/2010

Fragmento/ Tati Bernardi/ Consertar

"Mas a lição que eu aprendi no sábado é que não vale a pena consertar um carro pela décima vez. É mais fácil comprar um novo e fim de papo. Afinal, eu bem que tentei consertar meu relacionamento com todas essas pessoas e só ganhei mais e mais poses e menos e menos verdades. Ainda que doa deixar pessoas morrerem, se agarrar a elas é viver mal assombrado."

18/02/2010

As Cem Linguagens das crianças...

A criança é feita de cem.
A criança tem cem mãos,
cem pensamentos,
cem modos de pensar,
de jogar e de falar.
Cem, sempre cem modos de escutar as maravilhas de amar.
Cem alegrias para cantar e compreender.
Cem mundos para descobrir.
Cem mundos para inventar.
Cem mundos para sonhar.
A criança tem cem linguagens(e depois, cem, cem, cem),
Mas roubaram-lhe noventa e nove.
A escola e a cultura separam-lhe a cabeça do corpo.
Dizem-lhe: de pensar sem as mãos,
de fazer sem a cabeça,
de escutar e de não falar,
de compreender sem alegrias,
de amar e maravilhar-se só na Páscoa e no Natal.
Dizem-lhe: de descobrir o mundo que já existe e de cem,
roubaram-lhe noventa e nove.
Dizem-lhe: que o jogo e o trabalho,
a realidade e a fantasia,
a ciência e a imaginação,
o céu e a terra, a razão e o sonho,
são coisas que não estão juntas.
Dizem-lhe: que as cem não existem.
A criança diz: ao contrário, as cem existem.

16/02/2010

Fragmentos do livro Uma Aprendizagem ou O livro dos prazeres/ Clarice Lispector

"Nem mesmo a angústia.O peito vazio.
Sem contração.
Não havia grito."
"E 'eu te amo' era uma farpa que nãose podia tirar com uma pinça.
Farpa encrustada na parte mais grossa da sola do pé. "
"Faz de conta que uma veia não se abrira e faz de conta que dela não estava em silêncio alvíssimo escorrendo sangue escarlate"
"Ela descobriu que precisava dele,e isso a deixava desesperada...
Queria continuar amando-o mas sem precisar tão violentamente dele"
"Se não há coragem, que não se entre.
Que se espere o resto da escuridãodante do silêncio, só os pés molhadospela espuma de algo que se espraiade dentro de nós.
Que se espere.Um insolúvel pelo outro.
Um ao lado do outro, duas coisas que não vêem na escuridão.
Que se espere.
Não o fim do silêncio mas o auxílio bendito de um terceiro elemento:
A luz da aurora."

15/02/2010

Uma dose de amnésia e duas de desapego

- Garçon, uma dose de amnésia e duas de desapego por favor..
- Vai uma de amor também?!
- Não, não. Deixa pra outro dia!

Que seja doce.../ Caio Fernando de Abreu

“Então, que seja doce.
Repito todas as manhãs, ao abrir as janelas para deixar entrar o sol ou o cinza dos dias, bem assim, que seja doce.
Quando há sol, e esse sol bate na minha cara amassada do sono ou da insônia, contemplando as partículas de poeira soltas no ar, feito um pequeno universo; repito sete vezes para dar sorte: que seja doce que seja doce que seja doce e assim por diante.
Mas, se alguém me perguntasse o que deverá ser doce, talvez não saiba responder.
Tudo é tão vago como se fosse nada.”

14/02/2010

Fragmento / Caio Fernando de Abreu/ Cotidiano

"Você vai me abandonar e eu nada posso fazer para impedir.
Você é meu único laço, cordão umbilical, ponte entre o aqui de dentro e o lá de fora.
Te vejo perdendo-se todos os dias entre essas coisas vivas onde não estou.
Tenho medo de, dia após dia, cada vez mais não estar no que você vê.
E tanto tempo terá passado, depois, que tudo se tornará cotidiano e a minha ausência não terá nenhuma importância.
Serei apenas memória, alívio, enquanto agora sou uma planta carnívora exigindo a cada dia uma gota de sangue seu para manter-se viva.
Você rasga devagar o seu pulso com as unhas para que eu possa beber.
Mas um dia será demasiado esforço, excessiva dor, e você esquecerá como se esquece um compromisso sem muita importância.
Uma fruta mordida apodrecendo em silêncio no quarto.”

Tu seras la historia de mi vida - Verônica H

Tu seras la historia de mi vida, hoje, agora.
Eu te amo pra sempre até o dia escurecer.
Te quero inteiro pela metade e sou eternamente sua em nossas curtas horas.
Complete-me assim, sem dizer que sim.
Se você se apaixonar, vou ter que sumir.
Se disser que me quer, acaba o desafio.
Assuma a bagunça que eu sou sem tentar me arrumar, não serei sua, não serei séria, não estarei sóbria.
Se eu disser que te amo, pode ter certeza que é mentira.
Mal consigo me amar, quanto mais amar alguém que não é o que eu espero.

11/02/2010

Fragmento do filme /Antes que o dia termine

Pra quem não viu vale a pena filme muito bonito eu indico aí vai um belo fragmento do filme...
"Quero dizer que a amo e por que amo-te desde o dia que te conheci,mas não me permiti sentir isso até hoje...

Eu estava sempre um passo a frente,tomando decisões para me livrardo medo,mas hoje depois do que eu aprendi com você...

Cada escolha foi diferente e minha vida mudou completamente,eu aprendi que quando se faz isso vive se intensamente,não importa se você tem cinco minutos ou cinqüenta anos.

Se não fosse por hoje ou por você...

Eu jamais descobriria o amor,

Então obrigada por ser a pessoa que me ensinou a amar...e ser amado também..."

08/02/2010

Augusto Cury / O mundo ainda tem um jeito / Fragmento

Quando vejo uma mãe perdoar um filho apesar de ele não merecer, quando vejo alguémapostar num amigo quando ninguém mais acredita nele, quando vejo um paciente com câncer acreditar na vida apesar de estar morrendo, ou quando contemplo um mendigo dividir seu pão apesar de não ter qualquer valor para a sociedade. Eu penso comigo. O mundo ainda tem jeito.

O amor / Joaquim M. de Macedo / Fragmento

"O amor é um menino doidinho e malcriado que, quando alguém intenta refreá-lo chora, escarapela, esperneia, escabeija, morde, belisca e incomoda mais que solto e livre; prudente é facilitar-lhe o que deseja, para que ele disso se desgoste; soltá-lo no prado, para que não corra; limpar-lhe o caminho, para que não passe; acabar com as dificuldades e oposições, para que ele durma e muitas vezes morra. O amor é um anzol que, quando se engole, agadanha-se logo no coração da gente, donde, se não é com jeito destravado, por mais força que se faça mais o maldito rasga, esburaca e se aprofunda."

03/02/2010

Carta para o homem que morreu e um pouco de verdade viva/ Tati Bernardi

Você pensa que eu não sei?
Eu sei que tenho soluçado risos nervosos por aí.
Sempre um por aí perto dos seus ouvidos.
Tudo para você ver o quanto eu me divirto, o quanto sou charmosa.
Para você lembrar de como a gente se diverte, com a minha risada, com a sua.
E eu grito um pouco rindo, eu sei disso também.
Que é para você lembrar de quando eu sinto prazer.
De quando você me dá prazer.Eu passo quieta por você, você passa quieto por mim, e eu ainda escuto o barulho que a gente faz.
Vocês pensam que eu não sei?
Escova no cabelo todos os dias, lápis nos olhos, perfume de morango.
Eu sei, eu sei, a paixão é ridícula.
Sei que não cumpro o que prometo com olhares de mulher.
Pois é, eu sou uma menina. Surpreso?
Eu não.
Você está surpreso mesmo?
Achou que era uma mulher te instigando para fugir da lógica?
Isso é coisa de criança.Lógica?
Que se foda a lógica.
Eu não tenho tesão nenhum em separar o certo do errado.
Espero não aguentar mais a dor do caminho errado para mudar de vida, é só isso que acontece.
E o caminho certo também não me dá muito tesão não.
Menos aquele que a gente fez para fugir, menos aquele que a gente fez para se pegar, se entrar, parar de pensar em sentir e sentir de uma vez.
E a inspiração para escrever Meu Deus!
Foi para onde?
Foi para o mesmo lugar da minha outra paixão esquecida.
O homem para o qual dedico este texto.
Aquele que tirei do pedestal e nunca mais coloquei em lugar nenhum.
Foi para depois.
Depois que eu resolver o que é verdade, o que é de verdade.
Você pensa que eu não sei que você sabe que eu estou mentindo?
Eu sei.
Quer um pouco de verdade?
Leia o começo deste texto, não é sobre você que eu escrevo não.
Essa é a verdade, mas você me ensinou que ela não é necessária.
Eu sei bem.
E sei que você mente também.
E sei que a gente se atura porque perder pessoas é muito triste. Por mais que você não venha me encoxar no meio da noite, não me agarre no corredor, não jogue a porra do controle remoto para longe, não fale no meu ouvido o quanto você está precisando me comer naquele momento.
Por mais que você não seja esse homem, você respira quietinho ao meu lado enquanto dorme, lindo.
E quando você dorme quietinho assim, eu sei que, apesar de eu não abalar sua vida em nada, você precisa de mim.
E você já abalou tanto a minha vida.
Que pena, agora você morreu.
Mas eu continuo vendo você respirar, quietinho, ao meu lado.
A verdade é que eu ainda acredito em reencarnação.
E eu te olhei tantas vezes implorando.
Não morre, por favor.
Seja ele, seja o homem que perde um segundo de ar quando me vê.
Mas você nunca mais me olhou quase chorando, você nunca mais se emocionou, nem a mim.
Você nunca mais pegou na minha mão e me fez sentir segura.
Nunca mais falou a coisa mais errada do mundo e fez o mundo valer a pena.
Eu treinei viver sem você, eu treinei porque você sempre achou um absurdo o tanto que eu precisava de você para estar feliz.
De tanto treinar acostumei.
E cadê a inspiração?
Foi embora junto com a minha pureza, a minha crença, a minha fidelidade.
Eu sou comum, igualzinho a você, a vocês.
Eu cometo erros mesquinhos e sou capaz de grandes momentos.
Para cada grande momento, milhares de erros mesquinhos no ar, no lençol, no ralo de um banho cheiroso.
Para cada fundo do poço, milhares de motivos de perdão boiando, bóias de coração para eu me agarrar.
E eu nunca me agarro em mim, sempre espero alguém chegar.
Eu não queria ter ido tão longe.
Nem seguido um que não posso, nem aturando outro que nunca pude.
Eu só queria que ele aparecesse, o homem que vai me olhar de um jeito que vai limpar toda a sujeira, o rabisco, o nó.
O homem que vai ser o pai dos meus filhos e não dos meus medos.
O homem com o maior colo do mundo, para dar tempo de eu ser mulher, transar para sempre. Para dar tempo de seu ser criança, chorar para sempre.
Para dar tempo de eu ser para sempre. Cansei de morrer na vida das pessoas.
Por isso matei você.
Antes que eu morresse de amor.
Matei você.
Eu sei que sou covarde.
Surpreso?
Eu não.
Desculpa, eu tinha prometido nunca mais escrever tão subjetivamente.
Te amo, viu?
Você renasceu de novo.
Eu sei que sou louca.
Louca e covarde.

31/01/2010

Hell - Lolita Pille- Fragmento

"Eu não vou transcrever para vocês as tolices adoráveis que a gente fica trocando um com o outro ao longo das noites, nem descrever a maneira dele de recolocar as minhas mechas atrás da orelha, a suavidade do rosto dele contra o meu, o seu olhar mergulhado no meu.
Como estão vendo, eu caio rapidamente nos piores clichês.
Rostos grudados, olhos nos olhos, mão na mão...
Como a gente fica babaca quando apaixonada."

29/01/2010

Pra não sentir dor/ Tati Bernardi/ Fragmento

Para não sofrer eu vou me drogar de outros, eu vou me entupir de elogios, eu vou cheirar outras intenções.
Vou encher minha cara de máscaras para não ser meu lado romântico que tanto precisa de um espaço para existir ridiculamente.
Não vou permitir ser ridícula, nem uma lágrima sequer, nem um segundo de olhar perdido no horizonte, nem uma nota triste no meu ouvido.
Eu sei o quanto vai ser cansativo correr da dor, o quanto vai ser falso ignorar ela sentada no meu peito. Mas vou correr até minha última esquina.
Vou burlar cada desesperada súplica do meu coração para que eu pare e sofra um pouquinho, um pouquinho que seja para passar.
Suor frio da corrida, sempre com sorriso duro no rosto e o medo de não ser nada daquilo que você me fez sentir que eu era.
Muita maquiagem para esconder os buracos de solidão.
Muita roupa bonita para esconder a falta de leveza e de certeza do meu caminho.